Crescimento de Igreja – NUMCI
nov
08

Planejamento Estratégico para Igrejas

Publicado por Dr. Berndt Wolter 5 Comentários

Durante a segunda guerra mundial o mundo se tornou um lugar inseguro. Organizações de todas as áreas sentiram que os seus empreendimentos poderiam virar cinzas do dia para a noite. Se algo não fosse feito, a ruína seria certa. Regulamentos foram desenvolvidos de tal maneira que todos ligados à organização funcionassem de maneira previsível e controlável.

A maioria das pessoas estava familiarizado com a mentalidade militar. O exército desfrutava de grande aceitação e respeito popular pela ordem que conseguia viver e a força que demonstrava (veja AQUI trailler de um filme que mostra a época). Receber e dar ordens era comum e todos aceitavam, pois pela mentalidade de então era essa a saída para qualquer crise ou problema. Essa abordagem  funcionava nesse então. 

A igreja também sentiu-se ameaçada… O ambiente que rodeava a igreja era impregnada com a mentalidade de ordem, regulamento e obediência militar. Também a igreja decidiu organizar-se e fortalecer-se, protegendo-se contra a instabilidade do momento. E também na igreja passou a funcionar a mente militar. E nesse então eram certas e genuínas as decisões tomadas com base na

percepção que se tinha.

A igreja organizou o seu jeito de ser, com essa ordem. “Tudo seja feito com ordem e decência” é a palavra bíblica, não é?

Na busca dessa estabilidade organizacional num momento de instabilidade, a igreja buscou modelos para se estruturar maisconsistentemente nessa época perigosa. O que foi visto foram instituições fortes e instituições fracas. As fortes haviam seguido um determinado modelo de estruturação empresarial. Empresas, principalmente, organizavam-se para serem fortes e estáveis em tempos de crise. Tudo o que o ser humano podia fazer, fez. Tudo o que sabia colocou em funcionamento para proteger e fortalecer as organizações que seriam o marco orientador.

Estudos em todas as áreas começaram a se desenvolver no pós-guerra. A decepção da guerra levou as pessoas a não confiarem em nada, a não ser as suas próprias capacidades. O humanismo (doutrina filosófica que exalta o homem e suas consecuções) tomava conta de cada setor da sociedade. O homem havia visto de que é capaz durante a guerra e agora queria colocar isso a disposição do progresso.

Empresas se estruturavam e se organizavam confiando na força e capacidade do ser humano. Planejavam e executavam as suas atividades com cada vez maior refinamento nos detalhes. Teorias de todas as espécies foram desenvolvidas nas academias. Psicólogos, economistas, administradores, professores e toda sorte de especialistas engrossavam as fileiras de estudiosos tentando achar a fórmula mágica da estabilidade e do progresso.

Muitos excessos foram cometidos nesse processo. E empresas tornaram-se tiranos dentro da plena democracia. Usavam os recursos e os seres humanos sob pressão, para que produzissem o máximo no mínimo de tempo. O medo de uma nova guerra, impeliu as organizações a trabalharem com alvos de curto prazo. A pressão aumentava.

Não posso descrever todos os detalhes que envolviam o ambiente daquela época. O mundo se organizou para progredir e as máquinas do progresso foram colocadas em movimento com todo vapor. Se quiser leia mais AQUIAQUI.

O ponto que eu queria chegar é que na busca do mesmo crescimento, estabilidade e prosperidade a igreja começou a utilizar osmesmos instrumentos administrativos das outras organizações. Mas como a igreja e as outras organizações sem fins lucrativos não tinham os mesmos recursos e consequentemente não podiam investir em pesquisa como as empresas produtoras de bens o faziam, modelos de planejamento e organização foram incorporados na administração da igreja. Creio que cada um fez o seu melhor ao longo da história da igreja, tanto que, pelo menos aqui no Brasil, nossos irmãos antepassados entregaram uma organização sólida e funcional.

A minha preocupação é que aqueles instrumentos envelheceram e a persistência neles podem danificar a igreja seriamente se não discutirmos honestamente e não fizermos o que está ao nosso alcance para ajustarmos o nosso jeito de ser igreja nos próximos anos. Veja o artigo Trajetória “Quase” Inevitável => clique AQUI.

Nunca tivemos um instrumento de planejamento que levasse em consideração as características típicas de uma igreja. Nunca usamos um tipo de planejamento que valorizasse as esperanças, dons e paixões das pessoas, juntamente com a vontade de Deus. Não levamos em consideração as características de uma organização sem fins lucrativos, que tem adesão de seguidores, não por que estejam em busca de lucros ou ganhos materiais, mas por que estão em busca de outra natureza de ganhos. No caso de uma igreja os aderentes, ou como chamamos, os conversos vêm pelo fato de quererem crescer como pessoas para viver melhor aqui na terra e finalmente alcançarem a vida eterna.

Peter Drucker em seu livro “Administração de Organizações Sem fins Lucrativos” ressalta a natureza dessas organizações e o que as pessoas vêm buscar delas. A igreja é uma organização que não pode e nem deve ser comparada com uma empresa!!! O que Deus está querendo fazer através e no ser humano, não pode de modo nenhum ser degradado ao nível do do esforço humano e compreensão humanista.

Precisamos planejar a igreja dentro das características que ela tem. Os instrumentos de administração não podem ser os de uma empresa, isso seria uma simplificação demasiada daquilo que é por natureza muito mais complexo do que qualquer empreendimento humano jamais conseguirá ser. Precisamos de um instrumento simples que seja útil para inspirar, desafiar, oferecer visão clara e direção para cada membro e para a coletividade chamada igreja. Precisamos de um instrumento de liderança, muito mais do que de administração, instrumento que considere o livre arbítrio e o chamado de cada obreiro pago ou voluntário.

Existe este instrumento e ele será analisado nos próximos artigos em todos os seus detalhes.

5 Respostas até agora.

  1. Pr. Jones Barros disse:

    Muito relevante para a igreja mundial hoje!
    Gostei demasiadamente do site.
    Qual a melhor forma de fazer o diagnóstico das doenças de cada uma das minhas igrejas.
    Vocês tem algum teste modelo?
    têm tambem sugestões de tratamento?

  2. Pr. Rhadzony Storch disse:

    Precisamos aprender a fazer um planejamento estrategico. Esta é uma nova maneira de trabalhar. Gostei da expressão: “Precisamos planejar a igreja dentro das características que ela tem”. Muitos campos já estão procurando trabalhar com planejamento extrategico. Isto é importante! mas, os campo devem se lembrar que o planejamento estrategico, o que fazer, quando fazer, não deve vir de cima, e sim debaixo, lá da igreja. Pois, a cada igreja tem a sua caracteristica. è importante fazer um pesquisa de campo para sentir aonde a igreja precisa trabalhar. Não podemos esquecer qual é a missão da igreja. e a igreja precisa comtemplar e primeira instancia a sua missão, sem deixar de lado o crescimento natural em seus varios aspectos. obrigado pastor Wolter, precisamos mudar os rumos da igreja, com uma nova visão a ser alcançada.

  3. Anderson Veloso Dias disse:

    Excelente matéria pastor, de altíssima relevância para a igreja de Deus, principalmente nos presentes dias. Informo que em Volta Redonda/RJ, no domingo 30/01, estaremos reunidos elaborando o planejamento estratégico do nosso distrito. O período será definido lá anual, bienal, trienal ou quadrienal. Oro para que toda a administração da igreja mundial possa despertar para a importância do mesmo.

  4. [...] o artigo anterior (veja AQUI), queremos entrar na parte prática do planejamento estratégico para igrejas. Esse planejamento é [...]

Deixar uma resposta